Escaneamento intraoral em pacientes especiais - be-in digital solutions

Escaneamento intraoral em pacientes especiais

Cópia de REDES SOCIAIS 2 (1)

Quem teve a oportunidade de ter um paciente especial, ou conhece alguém nessas condições, sabe do desafio de conseguir realizar o atendimento e dar sequência ao tratamento.

Uma das etapas mais difíceis é a da moldagem. Se para um paciente comum já é um desafio conseguir realizar essa etapa com calma, imagine com paciente em uma condição especial.

O escaneamento intraoral entra nesse desafio como um grande aliado ao clínico e ao paciente especial. Os tópicos abaixo foram construídos a partir, principalmente, da nossa experiência com a realização do escaneamento intraoral nos consultórios de nossos clientes e também a partir dos nossos estudos para saber como realizar o melhor atendimento para o público.

  1. Pausar a moldagem quando necessário – o paciente especial tem necessidades específicas e poder pausar a moldagem, sem perder o registro, é definitivamente um grande ganho.
    Após iniciada a moldagem, caso o paciente sinta-se desconfortável ou tenha qualquer intercorrência, é possível pausar e retomar quando possível.
  2. Menos invasivo – não há comparação em como a moldagem analógica é mais invasiva que a digital. Não há moldeira ou o silicone/alginato a ser inserido na boca, o que traz muito mais conforto e segurança para o paciente.
    Além disso, ponteira do scanner é pequena e não há necessidade de apoiar na mucosa ou dentes, evitando qualquer incômodo ou dor.
  3. Atenção visual – com a presença da imagem do escaneamento, o paciente pode acompanhar o que está acontecendo. Isso pode ajudar de duas formas – tanto a atrair a atenção quanto a sentir-se seguro durante o procedimento.
  4. Conforto – dependendo da condição bucal, o paciente pode ter sensibilidade ou dor ao toque. Com o escaneamento não há necessidade de apoiar nos tecidos e dentes, o que suaviza e muito qualquer desconforto, principalmente na presença de lesões.
  5. Biossegurança – certamente é um fator de destaque, já que não há modelo físico a ser manuseado e o tempo de exposição é menor que o analógico.
  6. Tempo – em média um escaneamento intraoral dura 1/3 do tempo da moldagem analógica. Não há “tempo de presa”, escolha de moldeira, preparo da massa, diminuindo muito o tempo de trabalho e exposição do paciente.

Certamente outros pontos podem ser relacionados, mas destacamos esses como os principais, pois observamos durante nosso trabalho nos consultórios e durante nossos estudos.
Se você trabalha com pacientes especiais, certamente já reconheceu os benefícios que apresentamos aqui. O importante é o profissional estar atento e usar a tecnologia a favor do paciente e do tratamento.

Nós desenvolvemos o trabalho com o escaneamento intraoral de duas formas – executando o escaneamento Oro Scan no consultório, executado por profissional capacitado e de acordo com o Regulamento do CFO.
Assim como compartilhamos nossos conhecimentos através do curso “Escaneamento intraoral de A a Z” em que abordamos conceitos e práticas, compartilhando nosso conhecimento sobre odontologia digital.

Mais informações? Acesse nosso site:

Escaneamento intraoral de A a Z ou agende seu escaneamento Oro Scan

Compartilhe este post!

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
Share on whatsapp