Cáries & Scanners Intraorais

Tecnologia de Detecção de Cáries em Scanners Intraorais

image-3

O que é melhor, luz infravermelha refletida em escaneamento intraoral ou radiografia para a detecção de cárie proximal?

Recentemente, foi publicado os resultados de um interessante artigo comparativo publicado em janeiro de 2022 pelo Journal of Dentistry

Vamos entender antes, de maneira simples, como funciona a tecnologia de detecção de desmineralização por luz infravermelha – NIRI (near infra-red imaging)

O processo de detecção de áreas desmineralizadas do esmalte através de incidência de luz infra-vermelha já é conhecida, porém em scanners intraorais, ela está atualmente está disponível em dois, no iTero Element 5D, fabricado pela Align, empresa que desenvolveu e comercializa os alinhadores invisíveis Invisalign, o e no Emerald S, fabricado pela Planmeca, empresa de grande know how em dispositivos de imagem.

O aumento da quantidade de poros e água presentes no espaço intercristalino do esmalte desmineralizado agem como centros que espalham luz, fazendo com que o esmalte desmineralizado sofra um maior espalhamento de luz comparadao ao teciso mineralizado quando é incidida a luz infra-vermelha. As imagens obtidas permitem diferenciar os diversos graus de desmineralização do dente, sendo que o contraste nas imagens torna-se mais intenso quanto mais evoluída a doença.


Quanto maior a perda mineral, maior o espalhamento e mais escura a aparência da lesão na imagem e maior o contraste

Imagem tela scanner intraoral ITero Element 5D com a ferramenta NIRI ativada – fonte: Align
Imagens oclusais em 3 ângulos oclusais – fonte: Align

O modelo de scanner intraoral iTero Element 5D da Align Technology, foi o scanner avaliado no artigo descrito.

Confira abaixo tanto o resumo, como o artigo na íntegra.

Resumo do Artigo

Objetivos

O objetivo do presente estudo clínico multicêntrico prospectivo foi comparar a detecção de cárie proximal com reflexão de luz no infravermelho próximo (NILR) versus radiografia interproximal (BWR).

Materiais e Métodos

As varreduras intraorais foram realizadas em 100 pacientes em cinco clínicas odontológicas usando um scanner intraoral (iTero Element 5D, Align Technology, Tempe, AZ, EUA) que inclui uma fonte de luz infravermelha (850 nm) e um sensor. Imagens de luz infravermelha refletida de dentes posteriores foram usadas pelos dentistas para detectar cáries proximais e os resultados foram comparados com os BWRs. Em um total de 3499 superfícies proximais de molares e pré-molares examinados, 223 lesões de cárie foram detectadas por BWR, enquanto NILR detectou 549 lesões de cárie. A detecção de cárie usando ambos os métodos também foi feita por uma equipe especializada de cinco dentistas, altamente experientes na interpretação de imagens NILR, que usaram os mesmos conjuntos de dados obtidos clinicamente. Sensibilidade, especificidade e precisão foram calculadas para detecção de cárie tanto pelos dentistas quanto pela equipe de especialistas. Cinquenta e nove das lesões de cárie detectadas foram tratadas clinicamente e as observações durante a escavação da cárie foram comparadas com aquelas feitas com NILR e BWR. A análise estatística para comparação entre os diagnósticos de NILR e BWR foi realizada por meio do teste qui-quadrado de McNemar bilateral não paramétrico com nível de significância estabelecido em p  < 0,05. Coeficientes Kappaforam calculados para avaliar o nível de concordância entre os dois métodos de detecção de cárie.

Resultados

A acurácia da detecção de NILR de lesões precoces do esmalte foi de 88% e a de lesões cariosas envolvendo a junção dentino-esmalte (JDE) foi de 97%. A precisão foi maior em 96% e 99%, respectivamente, quando os mesmos dados foram examinados pela equipe de especialistas. A observação direta durante o tratamento de cárie sugeriu que o NILR detectou lesões precoces no esmalte que não eram detectáveis ​​apenas com BWR.

Conclusões

Dentro das limitações do presente estudo, o NILR foi mais sensível do que o BWR na detecção de lesões precoces do esmalte e comparável ao BWR na detecção de lesões que envolviam a JDE.

Relevância clinica

Imagens de luz infravermelha refletida que são geradas simultaneamente com escaneamento intraoral 3D podem ser usadas de forma confiável para detecção, triagem e monitoramento de cáries proximais, minimizando potencialmente o uso tradicional de radiação ionizante.

Segue link com o artigo completo https://bit.ly/3K2Ckpl

Compartilhe este post!

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
Share on whatsapp