Tecnologias de Escaneamento para Odontologia – parte 2 - #sejadigital com a be-in

Tecnologias de Escaneamento para Odontologia – parte 2

Como ocorre a reconstrução 3D de um objeto (tecido) escaneado?

Como falamos no post Tecnologias de escaneamento – parte 1, a moldagem digital é realizada através de um scanner intraoral, onde há projeção de luz e a captura de imagens é realizada para construção da imagem em 3D. Abaixo, confira todas as características dessas tecnologias e os equipamentos relacionados.

Incidências de luz ativas e passivas

Dentro da reconstrução 3D, há uma clara distinção entre as técnicas com incidências de luz passivas e ativas. Técnicas passivas usam apenas iluminação ambiente para iluminar os tecidos intraorais e dependem de certo nível de textura da superfície para que consiga formar as imagens.

As técnicas ativas, onde luzes estruturadas brancas, vermelhas ou azuis são projetadas da câmera para o objeto (tecidos), são menos dependentes da textura e cor dos tecidos para reconstrução. Nelas, um ponto luminoso é projetado em um objeto e essa distância é calculada por triangulação. Essa reconstrução da superfície é realizada com uma compilação de imagens ou por vídeo, que pode capturar várias imagens por segundo em um fluxo contínuo ou por análise de onda.

E o que é triangulação?

A triangulação é baseada em um princípio em que a posição de um ponto de um triângulo, pode ser calculado, sabendo as posições e ângulos de dois outros pontos. Estes dois pontos podem ser produzidos por duas câmeras ou por uma câmera única usando um prisma ou capturado em dois pontos diferentes no tempo.

Quais as tecnologias mais utilizadas em odontologia?

Confocal

É uma técnica baseada em aquisição de imagens focadas e desfocadas a partir de profundidades. Esta tecnologia pode detectar a nitidez da área da imagem para medir a distância do objeto que é correlacionado com a distância focal da lente. Um dente pode
então ser reconstruído por imagens sucessivas, tomadas em diferentes focos, diferentes distâncias e diferentes ângulos ao redor o objeto. A área de nitidez está diretamente relacionada destreza do operador que pode gerar -motion blur- (desfoque do movimento). Conheça exemplos de scanner que usam a técnica confocal: iTero (align), Trios (3Shape)

Luz Estruturada

A função de um scanner de luz estruturada está baseada na projeção de um padrão de luz estruturada em um objeto e o filma com pelo menos uma câmera para capturar as formas do objeto de acordo com o padrão de luz. Ao triangular várias imagens durante a varredura, você pode calcular as dimensões do objeto em toda a sua superfície.

Usa-se um padrão de listras alternadas finamente calibradas e câmeras precisas, permitindo medir as dimensões de detalhes muito pequenos. Ao processar os dados resultantes no software de digitalização, cria-se uma imagem 3D digitalizada do objeto digitalizado. Exemplos de scanners que usam essa tecnologia: CS 3600 (Carestream) e i500 (Medit)

Outras tecnologias

Outras duas tecnologias pouco utilizadas em odontologias são a AWS, Active Wavefront Sampling e Estereofotogrametria.

AWS (Active Wavefront Sampling)

A AWS é uma superfície técnica de imagem, exigindo uma câmera e uma abertura fora do eixo módulo. O módulo se move em um caminho circular ao redor do eixo óptico e produz uma rotação de POI (points of interest).

Informações de distância e profundidade são então derivadas e calculadas a partir do padrão produzido por cada ponto.

Estereofotogrametria

Estereofotogrametria é uma técnica mais sofisticada da fotogrametria, que envolve coordenadas estimadas de pontos de um objeto tridimensional. Estes pontos são determinados por medidas feitas em duas ou mais fotografias tiradas em diferentes posições. Dois pontos são identificados em cada imagem. Um raio de visão pode ser construído do local onde está a câmera até o objeto. A intersecção desses raios (triangulação) que determina a localização tridimensional do ponto. Como esta abordagem depende de projeção de luz passiva e software em vez de projeção ativa e hardware, a câmera é relativamente pequena, seu manuseio é mais fácil e sua produção é mais barata. Não usadas na odontologia.

As tecnologias de escaneamentos estão em contínuo desenvolvimento, no entanto, o que observa-se é que o grande diferencial buscado pelas empresas é no desenvolvimento de softwares, pois esses definem a diferença na experiência do usuário, nas ferramentas de manipulação de imagem, nas facilidades de uso durante o atendimento de acordo com cada caso. Com isso, ao observar a oferta de soluções em escaneamentos intraorais o grande foco deve ser no quesito intuitividade de uso, oferta de recursos e não apenas a fria análise do equipamento em si.

Compartilhe este post!

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on email
Share on whatsapp